Já publiquei aqui, nesse pequeno espaço, matéria de outra autoria.

Esta, agora, publicada por um amigo – Antonio Serpa do Amaral Filho, cai como uma luva sobre o artigo originamente intitulado “AS NUANCES TEOLÓGICAS”, que já re-editei poqeu pareceu-me ter caido no esquecimento dos contatos.

Então vejamos o que pensa nosso amigo “Serpinha” a respeito das conclusões (i)lógicas publicadas a respeito do desastre que ficou conhcido como o 11 de setembro (ou 911), nos Estados Unidos.

 

RESPOSTA À FILHA DE BILLY GRANHAM – DEUS E O 11 DE SETEMBRO
Antonio Serpa do Amaral Filho

O atentado terrorista de 11 de Setembro de 2001 está sendo explicado na internet pela filha de Billy Graham, um pastor protestante do gênero mass mídia. Está sendo veiculado na web que, em entrevista ao Early Show, da TV Americana, Anne Graham disse que o povo norte-americano esqueceu de Deus e, além disso, já não se faz orações nem a leitura da Bíblia nas escolas americanas, as mulheres estão fazendo aborto e os adolescentes usando camisinha naquele país. Resultado: as torres vieram abaixo.

Essa versão revela claramente a faceta danosa da ideologia da fé, quando constrói o seguinte silogismo falacioso em torno do 11 de Setembro: Deus abandona à própria sorte os que não o reverenciam (premissa maior); o povo norte-americano não o reverenciou (premissa menor); Deus o abandonou, e daí o aconteceu o 11 de Setembro. (conclusão).

Em outras palavras, o 11 de Setembro, na visão míope e alienada do crente, tem causa não em um conjunto de elementos essencialmente humanos que movem as roldanas da História, mas tem causa na relação homem-Deus. É aí, nesse olhar, nessa interpretação e nessa pregação metafísica, que reside o perigo. Ora, vendo o mesmo 11 de Setembro sob a ótica do Islamismo, temos a seguinte versão: Deus está usando a Al Qaeda para fazer justiça ao Imperialismo Norte-Americano e à opressão Ocidental! Deus escolheu Osama Bin Laden o justiceiro dos novos tempos, Deus abençoa os guerreiros do Islã e dá morte justa aos infiéis! Em nome desse Deus os homens-bomba sacrificam vidas humanas diariamente, pois terão como recompensa, diz-lhes a ideologia islâmica, 20 virgens do céu de Alá.

A fé do crente muçulmano é tão verdadeira e intensa quanto a fé do crente cristão, protestante ou católico. Ambos os crentes invocam uma divindade transcendental. Na verdade, segundo a subjetividade e a cultura de cada grupo de crente, cada um forja um Deus à imagem e semelhança dos seus valores, tradições, costumes, organização social etc, isto é, o Homem é quem cria Deus. Esse é problema e o perigo da fé: ela não se volta unicamente para a divindade invocada. Fosse assim, seria uma maravilha. Todavia, o fenômeno da fé transborda do mundo do mistério e da crença em si mesma para os elementos concretos que perfazem a vida social, política, econômica e cultural do Homem. É aí que o bicho pega, e tá feito o imbróglio.

Senão, vejamos. Anne alinhava os seguintes assuntos da vida terrena: NÃO FAZER ORAÇÃO NAS ESCOLAS. Deduz-se que sejam escolas da rede pública de ensino, pois nas escolas de vocação religiosa as orações são feitas normalmente. Ora, a escola pública pertence ao Estado, e o Estado, na democracia burguesa, é um ente laico, e não poderia ser de outra forma. O Estado não tem Deus, o poder constituinte do Estado não advém de Deus, e o Estado não é concebido em nome de Deus. O Estado Burguês foi construído a sangue e luta justamente para negar o Estado Feudal, esse, sim, erigido em nome de Deus. Pela argumentação da crente, deduz-se que, já que não houve oração nas escolas, Deus fez vistas grossas aos desmandos de Osama Bin Laden, e o povo norte-americano caiu em desgraça.

Não tem nada mais medievalesco do que isso. É uma visão tosca, infantil, de quem não tem um mínimo de leitura histórica da marcha humana. O Estado, a Religião e o Poder Político já foram outrora uma só entidade. Ainda hoje temos resquício do Estado Teocrático no Irã. Recentemente, no Afeganistão, os norte-americanos desmontaram o projeto do Estado Teocrático dos Talibãs. Um Estado laico que assegure a todos a liberdade de crença é uma conquista do mundo moderno. Portanto, se o governo norte-americano proibiu a oração na escola do Estado, agiu certo. O Estado é ente jurispolítico. Misturar Deus com Estado é como fazer um ensopado dos 10 Mandamentos com o Ordenamento Jurídico Pátrio. O Estado é o Estado. Deus é Deus. Separar um do outro nos custou o Renascimento, o Iluminismo e a Revolução Francesa. Vamos retroceder agora??

O uso de camisinhas seria outra causa do ataque terrorista. Infere-se do texto que o 11 de Setembro também tem a ver com o fato da juventude norte-americana estar usando camisinha. E quando se fala em camisinha fala-se em sexo, moral. Vejamos qual é a verdadeira moral do mundo: O Deus de Bento XVI acha que é um pecado usar camisinha. O Deus dos padres engajados em movimentos sociais aprova a camisinha. O Deus dos Protestantes mais conservadores acha que ela é o fim do mundo. O Deus dos Protestantes mais liberais acha não há pecado no uso de preservativo. O Deus do Islamismo ortodoxo acha que camisinha é coisa do demônio ocidental. As 24 milhões de pessoas infectadas pela Aids na África esperam que os Deuses entrem logo em acordo porque, não bastasse a fome, dezenas de pessoas morrem diariamente da doença naquele continente.

Aliás, do ponto de vista focado por Anne, pergunta-se: o que foi mesmo que os coitados dos africanos fizeram seja ao Deus cristão, seja ao Deus do islão, seja ao Deus da umbanda, para que viver de forma tão famélica, sub-humana e degradante? Enquanto o crente está lá na sua Sinagoa, ou na sua Igreja, ou no seu Templo, ou no seu Terreiro, fazendo suas orações e prestando suas reverências ao seu Deus, está tudo bem. Mas quando o olhar desse crente se propõe a substituir o pensamento analítico do sociólogo, o julgamento ponderado do jurista, a explicação científica do Historiador, aí a fé torna-se nefasta porque ela sai da sua dimensão original e passa a querer legislar e administrar numa seara que prescinde da concepção de Deus. O olhar do crente é absolutamente vesgo, não serve para explicar o mundo. É um olhar construído em nome de Deus, ou dos Deuses, mas por ser intrinsecamente parcial, alienado, comprometido, não é ferramenta confiável para oferecer explicações sobre os fenômenos da vida. A discordância deste articulista está assentada nesse mérito. Não estou dizendo que Deus é feio ou é bonito. Reconheço a Fé como Bem da Humanidade. Mas criticamente observo que, ao ser utilizada ideologicamente, a fé presta um des-serviço ao Homem.

Falta autocrítica e farta dose de humildade a todas as correntes religiosas. Cada uma delas se arvora dona da Verdade. Cada uma delas se julga a única reveladora do pensamento divino. São obras temporais da cultura, do espaço e do tempo. Deus possivelmente encontra-se algumas calendas-luz mais pra lá!!

N.R. Para os que não leram a respeito (ou não receberam o email), segue abaixo o texto da filha d Billi Graham.

 

SERÁ QUE DEUS É CULPADO?

 

Finalmente a verdade é dita na TV Americana.

A filha de Billy Graham estava sendo entrevistada no Early Show e Jane Clayson perguntou a ela:

 

‘Como é que Deus teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de setembro?’

Anne Graham deu uma resposta profunda e sábia:

 

‘Eu creio que Deus ficou profundamente triste com o que aconteceu, tanto quanto nós.

Por muitos anos temos dito para Deus não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas.
Sendo um cavalheiro como Deus é, eu creio que Ele calmamente nos deixou.
Como poderemos esperar que Deus nos dê a sua benção e a sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco?’

À vista de tantos acontecimentos recentes; ataque dos terroristas, tiroteio nas escolas, etc…

 

Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O’hare (que foi assassinada), se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas Americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião.

 

Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas…

A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, roubar e devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos. E nós concordamos com esse alguém.

 

Logo depois o Dr.. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua auto estima (o filho dele se suicidou) e nós dissemos:

 

‘Um perito nesse assunto deve saber o que está falando’.

E então concordamos com ele.

 

Depois alguém disse que os professores e diretores das escolas não deveriam disciplinar nossos filhos quando se comportassem mal.

Então foi decidido que nenhum professor poderia disciplinar os alunos…(há diferença entre disciplinar e tocar).

 

Aí, alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem.

E nós aceitamos sem ao menos questionar.

 

Então foi dito que deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas, quantas eles quisessem para que eles pudessem se divertir à vontade.

E nós dissemos: ‘Está bem!’

 

Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia e uma apreciação natural do corpo feminino.

E nós dissemos:

 

‘Está bem, isto é democracia, e eles tem o direito de ter liberdade de se expressar e fazer isso’.

 

Depois uma outra pessoa levou isso um passo mais adiante e publicou fotos de Crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição da internet.

Agora nós estamos nos perguntando porque nossos filhos não têm consciência e porque não sabem distinguir o bem e o mal, o certo e o errado; porque não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios…

 

Provavelmente, se nós analisarmos seriamente, iremos facilmente compreender:  nós colhemos só aquilo que semeamos!!!
Uma menina escreveu um bilhetinho para Deus:
‘Senhor, porque não salvaste aquela criança na escola?’

A resposta dele:

‘Querida criança, não me deixam entrar nas escolas!!!’

 

É triste como as pessoas simplesmente culpam a Deus e não entendem porque o mundo está indo a passos largos para o inferno.

É triste como cremos em tudo que os Jornais e a TV dizem, mas duvidamos do que a Bíblia, ou do que a sua religião, que você diz que segue ensina.

 

É triste como alguém diz:

‘Eu creio em Deus’.

Mas ainda assim segue a satanás, que, por sinal,também ”Crê” em Deus.

É engraçado como somos rápidos para julgar mas não queremos ser julgados!

 

Como podemos enviar centenas de piadas pelo e-mail, e elas se espalham como fogo, mas, quando tentamos enviar algum e-mail falando de Deus, as pessoas têm medo de compartilhar e reenviá-los a outros!

 

É triste ver como o material imoral, obsceno e vulgar corre livremente na internet, mas uma discussão pública a respeito de Deus é suprimida rapidamente na escola e no trabalho.

 

 

Você mesmo pode não querer reenviar esta mensagem a muitos de sua lista de endereços porque você não tem certeza a respeito de como a receberão, ou do que pensarão a seu respeito, por lhes ter enviado.

 

Não é verdade?

Gozado que nós nos preocupamos mais com o que as outras pessoas pensam a nosso respeito do que com o que Deus pensa…

‘Garanto que Ele que enxerga tudo em nosso coração está torcendo para que você, no seu livre arbítrio, envie estas palavras a outras pessoas’.

 

Passe essa mensagem adiante, se acha que ela tem algum mérito.

Se não, ignore-a… e delete-a…

N.R. 2 – Quem tiver mensagens deste tipo, por favor não as repasse para mim. Obrigado.

 

 

Anúncios