CULTURALMENTE FALANDO

A seresta Cultural que acontece todas as Quintas-feiras no Mercado cultural está cada vez melhor. Está “O bicho!”.
Democrática, abrindo espaço para artistas locais apresentarem seus repertórios, com estilos e gêneros variados, a Seresta Cultural vem desbancando muitos points que se diziam imbatíveis na quinta-feira.
A cidade está convergindo para o Centro Histórico.
O comando do amigo Heitor já atravessou momentos de glorias e inglórias. Já recebeu críticas até de quem não conhece o que é cultura.
Mas ele está lá firme em seu propósito de manter a Quinta cada vez mais voltada para a cultura.

Desde a primeira quinta-feira sempre compareci. A exceção à regra foi na semana passada quando, por motivo de saúde, fiquei quietinho em casa, sem tomar uma gota sequer da querida loura gelada. Uma semana inteira. Brrrrrr…

Voltei ontem e, mesmo sem estar no roteiro, acabei fazendo uma breve apresentação, a convite do Heitor. Algumas baladas, um tributo a John Lennon, duas canções de Elvis Presley e fechando com Emoções de Roberto Carlos, retratando o que realmente sinto quando estou ali.

Contamos com as presenças de Almir, Rose, Charles Silva dentre outros parceiros inseparáveis de nossa Seresta.

O barco segue firme de vento em popa. Vamos comemorar quando fizer o primeiro aniversário.

Mudando de assunto, o Show do Pirarublue, com a dupla Sandro Bacelar & Gioconda, que trata exatamente de homenagear o grande Noel Rosa, jamais sofreria – acredito veementemente –, por parte de qualquer dos envolvidos com o Mercado Cultural, qualquer tipo de obstrução à sua realização naquele espaço.

Entretanto, como já frisei outras vezes, o Mercado estava às escuras, portas cerradas, quando um corajoso filho de Porto Velho pediu ao “Seu Zizi” que mantivesse as portas abertas até às 22,00 horas nas sextas feiras, pois iria proporcionar um som ao vivo, com sua troupe de bambas locais. A primeira noitada de Ernesto Melo no Mercado Cultural contou com poucos amigos e suas esposas. Mas na semana seguinte conseguiu aumentar significativamente o público. O que se vê hoje é Porto Velho centralizando as atenções para aquela calçada, aquele espaço público. Claro que mérito e louvor hão de ser dados ao Poeta da Cidade pela sua persistência e abnegação, resistindo aos atropelos desse um ano e meio de batente.

Poucos sabem, mas nesse período apenas duas sextas-feiras não contaram com a presença de nosso amigo Ernesto, mesmo assim porque se encontrava viajando para longínquas plagas.

Claro, também, que qualquer programação que venha a interferir no seu Projeto (Projeto, mesmo) que tem dado certíssimo, deverá passar pelo seu crivo.

Respeito e considero muito o Presidente da Fundação Iaripuna, Altair dos Santos (nosso Tatá) que brinda-me com sua amizade. Nunca passaria por minha cabeça que estivesse atropelando as coisas.

Parece-me que houve falha na Coordenação. Isso sim. Mas que foi devidamente contornada e o Show de Noel, com certeza, irá ao palco neste sábado.

Aliás, a programação do Mercado Cultural é extensa e intensa!

Ganharam todos, enfim, porque os amantes tradicionalistas e conservadores da Sexta d’A Fina Flor do Samba continuam como dantes e ainda poderão assistir o Show do Pirarublue na íntegra no sábado.

Anúncios