Como já publiquei aqui, e o assunto continua sem alteração que vale a pena anotar, segue aqui o texto colhido do blog do Senador Acir Gurgacz, que mostra-se empenhado na solução do problema.
Todos os interessados sabem que a minuta do Decreto Lei que trata da transposição já estava pronta desde dezembro/2010.
Mas poucos sabem onde está e ninguem sabe o que está “travando” seu envio à Casa Civil. Nem o Senador Acir. Leiam o texto, incluindo os comentários já recebidos.

Transposição emperrada. Onde está o problema?
Está sendo definida a data para uma nova reunião da bancada rondoniense no Ministério do Planejamento. O tema é a transposição, a publicação do decreto. Queremos saber o motivo desse atraso.
Eu, pessoalmente, entrei em contato com as pessoas responsáveis pelo decreto, na semana passada, e quero saber o que está emperrando a publicação.
A questão é levar o documento para a Casa Civil?
Eu levo. Me passa o decreto que eu levo. Não é esse problema? Então qual é?
Se não é apenas encaminhar um documento de QUATRO páginas para a Casa Civil, então tem algo a mais a ser feito ou tem algo a mais emperrando que a gente não sabe o que é.
O problema é que nós não sabemos mais o que dizer para o servidor rondoniense, para todo o povo rondoniense, o que está amarrando tanto essa transposição.
E o servidor rodoniense não aguenta mais falar em reunião que reúne mas não resolve nada. Para o povo de Rondônia é difícil entender porque é tão difícil levar QUATRO folhas de papel de um lugar para outro aqui em Brasília.
Postado por Acir Gurgacz às 04:52
Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Buzz
2 comentários:

Alencar de Paula disse…

Bom dia senador o problema não seria o valor que vai ficar pro governo federal pagar? Parabéns pelo desabafo.

8 de fevereiro de 2011 05:25
arturquintela disse…

Caro Senador, não duvido de seu empenho. Mas não creio em força política capaz de sanar um câncer criado há décadas. Quando a Constituição de Rondonia foi escrita já havia um norte no sentido de que todas as despesas administrativas do, então, Estado seria da esfera federal por 10 anos para garantir a instalação plena e pacífica da nova ordem governamental e federativa. Entretanto, desde 1981, nada sai do papel. Já tivemos a “palavra” dos Senadores anteriores que consguiram, pelo menos dar um passo nesse sentido. Só que este “passo” acabou no vácuo novamente. A luta, então, não pode ser interrompida. Espero que “até” o fim do mandado da Presidente Dilma isto possa ser resolvido de vez, para honra e glória dos valorosos parlamentares rondonienses. Senão… volta tudo ao que era dantes no quartel de abrantes”. Obrigado.
8 de fevereiro de 2011 12:02

Anúncios