Carnaval 2011

Diplomatas ou Asfaltão?

Tenho mantido o silêncio desde o encerramento do Carnaval. Não sou muito de provocar celeumas. Mas não deixaria passar “barato” o deste ano.

É mister, entretanto, esclarecer uma coisa. Antes que pensem que estou “puxando a brasa pra minha sardinha” adianto que só tenho um time de coração, só tenho uma escola de samba de coração e só tenho um bumbá de coração.

Pode parecer estranho, mas a verdade é essa: Sou Garantido, sou Flamengo e sou Mangueira. Costumo brincar fazendo um arremedo de poesia para completar: “Sou feliz a vida inteira / Quando não é um, é outro na dianteira”.

Aqui em Porto Velho, onde cheguei no fim de 1961, conheci (ainda criança) o que seria a Escola de Samba Diplomatas. Mas nunca tive além de boas amizades com os brincantes e dirigentes, dentre eles o saudoso Leônidas, querido amigo e grande sambista.

Ali também vim a conhecer Bainha, outro grande mestre sambista, hoje idolatrado por toda a comunidade artística da Porto do porto do rio.

Mas, retornando ao Rio de Janeiro para concluir os estudos, voltei às barras de minha querida verde-e-rosa, sendo frequentador assíduo do Buraco Quente, onde tive o prazer de estar junto com Mestre Cartola, Dona Zica, Beth e outras personalidades de nosso samba. Ali, tendo Mestre Delegado ao lado, na quadra (ainda descoberta) aprendi alguns passos de Mestre Sala criados pelo próprio e que se tornaram “obrigatórios” para os discípulos que queriam representar a mais tradicional de todas as escolas de samba que conheci.

Nunca fui sambista dos bons, mas sei “dizer no pé” algumas frases e não me inibo quando tenho que demonstrar, tudo pelo grande carinho que sempre tive e tenho pela Mangueira.

Ao voltar para Porto Velho (1972) meu papo com o samba local era raro, tendo feito algumas composições – a pedido ou por provocação – que nunca foram, de verdade, para o asfalto. Fiquei mais no repertório que me fizera músico na Cidade Maravilhosa – Jovem Guarda.

De uns tempos para cá, coisa de poucos anos, conheci uma turma que se fazia cercar por velhos companheiros das rodas de samba – sempre regadas a um bom trago. A convite do amigo Silvio Santos fui à inauguração da Toca do Tigre – na realidade uma re-inauguração do Bar do Chulé.

Lá chegando fui recebido com auêês no microfone, bem mandado por Jair Monteiro, Oscar Knightz, Ênio, Chiquinho do Cavaco (meu amigo Chico Mendes), dentre outros. Nem sabia direito onde estava entrando, mas cheguei, sentei e curti um repertório de samba da melhor qualidade.

Nesse fui chegando, fui chegando e fui ficando… acabei conhecendo a Família Asfaltão. Não a Escola de Samba Unidos do Asfaltão. A FAMÍLIA ASFALTÃO.  Presidida pela amigo Reginaldo, ex-companheiro de Banco do Brasil, filho do amigo Campos  e Dora, ex-companheiros da MIBRASA, a Escola tinha (e tem) muito mais de família do que de uma tradicional escola de samba.

Com carinho e respeito fui recebido e, da mesma maneira, tenho retribuído a todos os que lutam pela grandiosidade do samba e do carnaval naquela família.

E é em nome desse carinho que me sobe a indignação.

Ano passado, após o julgamento dos quesitos na avenida, algumas reclamações surgiram por parte dos que perderam o campeonato, dentre todos, a Asfaltão. Estive na Tenda e conversei com todos. O que mais me espantava é que, mesmo sentindo-se pilhados, os dirigentes e brincantes mantinham a serenidade e – para pasmar – grande felicidade pelo desfile realizado. Naquela época, lembro bem, o adereço da cabeça da porta-estandarte havia caído e nenhum dirigente procurou sanar o problema, tendo sido a escola prejudicada em mais de um ponto pelos jurados que lhe atribuíram notas. Conversa vai, conversa vem, assumiu-se ali, ainda na euforia do carnaval, um compromisso para o ano seguinte: fazer um desfile ainda melhor.

Havia votos contrários, claro. A Asfaltão ficara com dívidas em virtude do Governo do Estado haver se negado a contribuir com o pactuado anteriormente.  Também havia a questão de uma jurada que seria familiar do presidente de outra escola e que estava na cronometragem…

Mas, a serenidade prevaleceu e o samba tomou conta do ambiente, enchendo a todos de alegria.

Um ano passou-se… Um ano inteiro de projetos, planejamento, quitação de dívidas antigas e assunção de novas… escolha do tema, contratação de profissionais da arte… composição do samba-enredo… tudo nos conformes…

Aí veio o desfile.

Fui no primeiro dia. No segundo não fui. Daí a razão para ter ficada tanto tempo quieto, sem manifestar-me.

Ora, em 2010, os dirigentes e brincantes da Diplomatas estavam ao meu lado na hora da Asfaltão. E ficaram boquiabertos com o desfile apresentado. Luzes, música, samba, bateria… destaques… tudo dava certo, exceto o capacete da porta-estandarte… e perdeu-se o troféu de campeã.

Então… em 2011 nada daquilo podia acontecer. E não aconteceu. O desfile da Asfaltão foi lindo, simplesmente exuberante. Cores e luzes na medida certa. Samba-enredo nota dez. Destaques, idem.

Então… a arqui-rival teria que vir com muito mais. E aí, não entro no mérito. Não assisti ao desfile da Diplomatas. Não poderia atribuir-lhe uma nota sequer. Estava em outro compromisso que me tomou todo o dia, entrando pela noite.

Mas veio a notícia. Uma das alegorias da vermelho e branco quebrara. Truncara todo o desfile. Prejudicou a evolução. Não houve harmonia. As alas deixaram buracos, como se dispersas estivessem. O desespero tomara a Avenida dos Imigrantes. Até autoridades foram pra pista para ajudar a escola a “desembaraçar o carro”.

Nada contra a escola do amigo Eufrásio. Mas, a cidade inteira comentou o que saiu na mídia escrita, falada, televisionada: A Diplomatas seria penalizada em alegoria, harmonia, evolução… no mínimo. Um ponto, cada. Ainda havia o quesito enredo. Atrapalhado bastante, já que a sequência das alas foi alterada (previsto no regulamento para penalização).

E… Diplomatas recebeu nota máxima exatamente nestes quesitos. E ganhou o título pela quarta vez seguida.

Lembrou-me Rica Perrone e o caso da Taça das Bolinhas. Irritado com os dirigentes de seu clube (principalmente Juvenal), que recebera o troféu o jornalista (são-paulino roxo) esbravejou que não estavam honrando o esporte, mas sim, preocupados com seu próprio clube. Que o Esporte se danasse.

Assim me parece, hoje, infelizmente, o Carnaval das Escolas de Samba de Porto Velho.  Foi colocado o critério da entidade acima do carnaval municipal.

Por que dois pesos e duas medidas? A Asfaltão merecia ser penalizada e a Diplomatas, não?

Já diziam as crônicas e artigos, antes do carnaval: “O Presidente da FESEC não sai do Barracão da Diplomatas”.

Da mesma forma que em 2010, os dirigentes de outras agremiações ameaçaram desfiliar-se da Federação. Coisa que não acredito muito que venha a ocorrer. Pelo menos, não, pela Asfaltão. A dignidade de seus dirigentes e simpatizantes é muito superior. Superior a todos estes atropelos.

Mas causa-me pena a situação do Carnaval. Será que vale mais uma entidade do que o próprio evento?

Fica a pergunta.

E mais outra: Em 2012 a Diplomatas vai ser Penta? Vai receber uma taça de bolinhas também????

Eu heinnn…………….

Anúncios