Lenha na Fogueira

Registramos o falecimento de Luiz Inácio de Carvalho funcionário aposentado da Infraero.

*********

Inácio era popularmente conhecido com DOIS. Acontece que quando chegou a Porto Velho ainda na década de 1950 Luiz Inácio foi trabalhar como carregador de mala (bagagem) no aeroporto Caiari e lá já estava atuando o carregador Pará o nº 1.

*********

Então os passageiros e os que fre3quentavam o aeroporto passaram a chamar o Luiz Inácio de DOIS.

**********

Poucas pessoas sabiam o seu verdadeiro nome, era apenas DOIS para quem chegava ou saia de Porto Velho por via aérea.

**********

Dois pode ser considerado pioneiro na arte da carregar bagagem nos aeroportos de Porto Velho.

**********

Chegou aqui como Arigó vindo do nordeste, se a memória não me falha como passageiro da terceira classe da Chata Cuiabá.

Luiz Inácio estava com 101 anos de idade.

*********

À família do Luiz nossas condolências.

*********

Por falar em pioneiro.

**********

Chamo a atenção dos amigos leitores, para a crônica que a historiadora Sandra Castiel postou no site Gente de Opinião.

*********

A escritora foi muito feliz ao questionar sobre o critério utilizado por quem de direito para nominar as ruas e ávenidas de Porto Velho.

*********

Em determinado trecho da crônica ela questiona:

*********

Rua Andréia?! Rua Andressa?! Rua Daniela?!

************

Essas são algumas das lamentáveis evidências do descaso para com a História do município de Porto Velho:

***********

Andréia de quê? Quem foi Andréia?

**********

Andressa de quê? Quem foi Andressa?

***********

Daniela de quê? Quem foi Daniela?

**************

Qual a relevância dessas pessoas(?) sem sobrenome na construção de nossa História, no desenvolvimento de nossas potencialidades, no que se refere à promoção de um trabalho social verdadeiramente edificante, um trabalho voltado a erigir um município pujante como Porto Velho? Por acaso, esta cidade não tem um passado?!

***********

Então qualquer Zé das couves e qualquer Mariazinha do bar da esquina, hoje, são nomes de rua em Porto Velho, simplesmente porque foram referências de locais que caíram na boca do povo?

************

Não se considera mais a trajetória de trabalho em prol do engrandecimento do município para dar nomes às ruas e espaços públicos desta cidade?

************

O artigo da Sandra Castiel levanta uma questão que há muito deveria entrar na pauta da Cãmara de Vereadores e da prefeitura municipal.

***********

Concordamos quando ela questiona os nomes das ruas Andréia, Andressa e Daniele. Lembro que esses nomes foram registrado porque eram parentes do dono do loteamento. Creio que se formos pesquisar na Cãmara de Vereadores, não vamos encontrar nenhuma Lei denominando as ruas com esses nomes. No Cartório de Imóveis onde o loteamento foi registrado consta os nomes das ruas que foram colocados porque as pessoas eram parentes do dono das terras.

************

Só não concordamos quando ela (Sandra) questiona o nome da rua Jatuarana.

**********

Se os vereadores não mudassem tanto os nomes das nossas ruas. Porto Velho seria uma  das cidades mais fáceis para o trabalho dos carteiros e entregadores de um modo geral.

**********

Por exemplo:  No Conjunto Mal. Rondon as ruas receberam nomes de Minérios como Ouro, Cassiterita etc.

************

No bairro Lagoa são nomes de peixe como, Jatuarana, Curimatá, Pacu etc.

**********

No bairro Embratel são nomes de países e cidades da America Latina: México, Nicarágua, Venezuela e Buenos Aires. Algumas dessas, os vereadores já mudaram o nome.

*********

Quer saber onde estão os nomes dos jornalistas que já morreram, vai ao bairro São Sebastião: Vinicius Danin, Ari Macedo e tantos outros.

**********

Agora as ruas de parte do hoje bairro Igarapé que antigamente era o Esperança da Comunidade, receberam os nomes contestados pela Sandra por motivo particular. Tá na hora de mudar.

Anúncios