Por Antonio Serpa do Amaral (Basinho)

Com o slogan momesco “Se o Bloco faz 20 e Poeta faz 60, só sai no Galo quem agüenta”, a vida e a obra do cantor e compositor Ernesto Melo é tema da Sociedade Cultural Galo da Meia Noite, um dos maiores cordões carnavalesco da região norte brasileira. O anúncio foi feito pelo presidente da entidade, Edson Caúla, na última sexta-feira, dia 16.09, durante a apresentação da Companhia Musical Fina Flor do Samba, no Mercado Cultural, no centro histórico de Porto Velho. Surpreendendo o homenageado e o público presente, Caúla divulgou oficialmente a escolha de Ernesto Melo para tema do Galo da Meia para o carnaval de 2012, em razão do compositor ter completado 60 anos de vida e ter contribuído com suas inúmeras composições para a identidade cultual do povo de Rondônia, fazendo músicas tanto para o carnaval da capital rondoniense quanto para o acervo da música popular porto-velhense, especialmente no gênero samba. A ala de compositores do bloco será convocada para produzir as marchas que irão contar e cantar na avenida a vida e a obra do sambista.

Ernesto Melo, casado com Maria Erenir Coral dos Santos Melo, é filho de Dona Tereza Bento de Melo e do já falecido Esmite Bento de Melo. O Poeta da Cidade, como é chamado no meio artístico, começou cedo sua trajetória artística. Sua produção musical abrange hoje mais de cem peças musicais feitas durante mais de 40 anos de atuação no meio cultural. Ao ouvir o anúncio da sua escolha como tema do Galo, ele ficou muito emocionado, principalmente por coincidir com o advento dos seus 60 anos de idade. Ainda durante a apresentação no Mercado Cultural, o grupo musical Fina Flor do Samba dedicou especial homenagem ao líder da troupe, entoando com o coro do público a composição “Cantando em Tom Maior”, composta por Basinho, exaltando a chegada do cantor à popularmente chamada melhor idade.

Leia na íntegra o desenvolvimento do tema confeccionado a pedido do presidente Edson Caúla, presidente da agremiação carnavalesca:

TEMA PARA O CARNAVAL DE 2012

Por Antônio Serpa do Amaral Filho

SE O BLOCO FAZ 20 E O POETA FAZ 60

SÓ SAI NO GALO QUEM AGÜENTA

“Quis o destino que o Galo da Meia Noite e o músico Ernesto Melo se encontrassem na esquina do tempo, quando um faz 20 e o outro chega aos 60 anos de vida. O Galo da Meia Noite é um jovem fogoso, um brincalhão cordão carnavalesco, consciente de seu papel cultural no maior carnaval do Norte Brasileiro. Escolhendo homenagear o artista Ernesto Melo, o Galo da Meia Noite estará fazendo uma histórica ópera popular nas ruas desta cidade, pois a reverência e o respeito da juventude exaltando os 60 anos de um grande artista da terra desaguará num marco para a história do Carnaval de Rondônia, com certeza, pelo simbolismo desse encontro, pela densidade dessa prosopopéia cultural, pela produção de muitas cores no buquê de poesia dessa parceria e pela façanha inédita na qual só o Galo da Meia Noite tem carisma, sensibilidade, responsabilidade social e coragem cívica e cultural para tanto: dizer para o nosso sambista Ernesto Melo, em nome do povo da cidade de Porto Velho: EU TE AMO, POETA! Se o Bloco Faz 20 e o Poeta Faz 60, só sai no Galo quem agüenta!

O cantor e compositor Ernesto Melo fez 60 anos de vida. É um momento histórico para vida cultural do município de Porto Velho. Por isso esse singular acontecimento cronológico-cultural precisa ser comemorado e exaltado em grande estilo, com o povo na rua brincando no Galo da Meia Noite e saudando um dos mais lúcidos e criativos artistas populares do Estado de Rondônia, que agora chega à chamada Melhor Idade, comandando o maior espetáculo popular do samba em Porto Velho, com a Companhia Musical Fina Flor do Samba, no Mercado Cultural, centro histórico de Porto Velho!

Não é à toa que Ernesto Melo recebeu do povo o título de “O Poeta da Cidade”. Ele fala de Porto Velho como quem conta um caso de amor. A Academia de Letras de Rondônia curvou-se à sua criatividade e outorgou-lhe uma “moção de aplauso” pela contribuição artística à construção da identidade rondoniense. O conjunto de sua obra é uma verdadeira declaração de amor à nossa cidade, que é também a terra natal do compositor a ser homenageado. Suas composições e sua trajetória de vida no mundo cultural são a matéria-prima e a essência que dão sustentação e credibilidade a sua escolha como homenageado do Galo da Meia da Noite. As letras de Ernesto Melo estão impregnadas de romantismo, de lirismo amazônida e de saudosismo nativista, mas contêm também robustez harmônica, qualidade melódica e rica propriedade rítmico-musical. A versatilidade de suas composições não tem limite, como convém a uma obra construída ao longo dos últimos 40 anos. Por isso ele passeia com leveza e desenvoltura tanto pelo samba-canção quanto pelo samba-enredo, tanto pelo samba-exaltação quanto pelo samba quadrado, se enveredando também pelo samba de breque, pela marcha-samba, pelas marchinhas carnavalescas, pelo samba-bossa e pelo afoxé.

A poesia de suas composições procura ciceronear os ouvintes pela geografia cultural destas paragens desbravadas por Cândido da Silva Rondon. Um dos mais emblemáticos discursos poéticos sobre a terra natal, composto por Ernesto Melo, é a música “Porto Velho Meu Dengo”, campeã do Festival do Sesc, que diz “Porto Velho meu dengo, desde que eu me entendo, tu és o meu caso de amor”. Mas o músico não pára por aí. Vai muito mais além a abrangência de sua obra. Ernesto canta Babá, exalta Sílvio Santos, Bainha e Bubu, Esron Menezes, Labibe Bártolo e o próprio bairro Caiari, em “Meu Caiari, Minha Vida”. Ernesto canta os Diplomatas do Samba, a Praça Marechal Rondon, a Banda do Vai Quem Quer, o próprio Galo da Meia Noite, a Feira e antigo clube Internacional. Compondo e cantando, ele constrói um verdadeiro inventário da memória social e cultural da cidade, lembrando, por exemplo, dentre outras pessoas, de Waldemar de Almeida, Mário Monteiro, Marcos Aurélio Guzmán, Renato Medeiros, Doutor Ananias, Dona Labibe, Vítor Sadeck, Cézar Queiroz, consignando também os pioneiros do rádio, e também o Grangeiro, Deroche, Zé Melo, Norman Johnson, Baiano e Cabo Omar, Contra-Deus, José Otino de Freitas, Cabo Lira, Cláudio Carvalho, a professora Estela Compasso, Ênio Melo, Nicácio, Vivaldo, Joel, Ítrio Bento de Melo e Marise Castiel. Seu foco temático é versátil e procura prestigiar, sempre, os diversos aspectos geográficos, humanos, folclóricos, histórico e cultural da cidade de Porto Velho. Como se fosse um guia turístico a mostrar com ávida paixão a terra onde nasceu, ele canta o Mocambo, a Porto Velho de antigamente, a Vila Confusão, o Bar do Zizi e o Mercado Central. Com ele o samba desceu o morro do Triângulo na voz Black, Manga Rosa e Sabará, desfolhando a partir daí nomes e lugares onde a boêmia imperou soberana na voz e na vida do povo da Capital do Estado de Rondônia. Portanto, posta-se como um digno merecedor da honraria que o Galo da Meia dedica todo ano aos grandes expoentes da nossa cultura popular. O encontro, na avenida, do Galo com o Poeta Ernesto Melo deixará marcas profundas no coração, na memória e na alma do povo de Porto Velho!”

Samba composto em 19 de agosto de 2011 – em comemoração aos 60 anos de Ernesto Melo

Cantando em tom maior

De: Basinho

Tom: Am7

Am7

O poeta fez sessenta anos

E toda cidade vai cantar

Venceu todos os seus desenganos

Encontrou o amor que quis amar

O poeta fez sessenta anos

E toda cidade vai cantar

Venceu todos os seus desenganos

Encontrou o amor que quis amar

Erenir – o amor que o poeta quis pra si

Erenir – o amor que o poeta quis pra si

Erenir – o amor que o poeta quis pra si

Olha a Fina Flor

Olha meu amor – tá só que canta – Bis

Pois cada canção é uma esperança

Que no amanhã a vida seja bem melhor

Cantando com o poeta em tom maior – Bis

Meu amor…

Anúncios