Hoje, já serenados os ânimos, podemos refletir sobre o que se passou no XVIII FEFOGUAM. E uma imágem nítida ainda permanece na memória.
Uma figura que jurava amores ao Boi-Bumbá Malhadinho estava no meio da galera do contrário. Não sei como foi recebida lá. Talvez tenha soltado as mesmas mentiras e juras de amor que fazia quando cerrava nas fileiras azuis. O certo é que aquela nação não sabe das armações que essa personagem armava contra eles. Das vezes em que denegriu, não só a nação, mas sua propria mentora e fundadora. Não foram poucas as vezes – incluindo-se aí uma carta que levou ao furor a nação vermelha.
Esquece-se aquele indivíduo que, mesmo infiltrando-se na galera do contrário, sua pequenez continua a mesma. Tacanha. Mesquinha!
E esquece-se mais ainda que ainda está, mesmo depois de expulso das fileiras azuis pelo Diretor Fundador, sendo processado por apropriação indébita de todos os bens que usurpou do Malhadinho. Não tarda por esperar a figura maquiavélica. Tudo o que fez ainda será reparado. A justiça brasileira é lenta, mas, da mesma forma que recuperamos a Associação, recuperaremos todos seus bens. Podem crer.
Aos contrários, por quem sempre nutri respeito – não de graça, é claro – fica o aviso. É a mesma pessoa que cobria de insultos toda a nação vermelha. É a mesma pessoa que mandava jogar pedras e enviava correspondências vis. Cuidado!!!
Nós, do azul-e-branco, já conhecemos suas pilhérias. Não cairemos de novo.
Foi DEFENESTRADO de nossas fileiras. E acabou!!!!!!!

Anúncios