DIZ A LENDA – MUDANÇAS

Por: Beto Ramos

 

 

Ano de renovação das esperanças.

Mas, sempre existirão fortes banzeiros.

Estaremos sempre atentos ao que nos pertence e é pago com os nossos impostos.

Que seja bem vinda à nova gestão na cultura do município.

Que venha com transparência.

Que venha com prestação de contas.

Que não libere verbas para qualquer atividade cultural no escuro entre quatro paredes.

Investimento em projetos culturais, não é para pagar contas pessoais.

Investimentos em projetos culturais não são para financiar viagens de quem não possui a alma na realidade.

Cultura séria, não precisa de empresas de particulares para liberação de verbas que serão investidas muitas vezes nas próprias entidades cheias de porcentagens.

Ficaremos atentos aos desmandos não por sermos perfeitos, mas, por acreditarmos que poderemos construir uma Porto Velho melhor.

Nossa cultura não pode ser vista como grupinhos que se intitulam donos da criatividade e da luta de artistas que muitas vezes peregrinam para honestamente receberem seus honorários de trabalhos.

Existem muitas Escolas de Samba.

Muitos grupos folclóricos.

Diversos grupos de teatro.

Inúmeros movimentos culturais.

Não poderíamos nos ater a investimentos em amigos.

A cultura beradera é plural e não singular.

Não poderíamos levar ao povo somente encenações de enganação programada.

O povo tem o desejo de conhecer tudo, evidentemente, com qualidade e investimento sério.

São muitas as dificuldades.

Mas, uma gestão séria, com certeza irá mostrar para a população que acreditou na mudança, que não ficará brincando de um pra você e um dois pra mim, dois pra você e um, dois, três pra mim.

O amo do boi tinha razão.

Tem gente sem entender de Porto Velho.

Que nem mesmo saberia dizer a localização do Igarapé Grande ou Samburucu.

Talvez não tenha assistido nenhum filme no Cine Brasil.

Ou nunca cantou uma música do Babá, Ernesto, Pirarublue, Binho, Silvio Santos, Walter Bártolo, Bainha, Paulinho Rodrigues ou Minhas Raízes.

Ou nunca viu o Gervásio, Bacu, Gainete jogarem.

Nem sabe o que é o Tricolor da Madevía, o Rolo Compressor da Vila, Moleque Travesso.

Nunca foi no Mistura Fina.

E nem chorou a morte do Menelão.

Ano de novas esperanças para que não venhamos a viver as CHAGAS do Jesus Cristo da nossa Jerusalém, pois quem dança sabe das nossas dificuldades.

É preciso ser FRANCO, tem tudo para dar certo.

MAU ou bom, estaremos com nossas esperanças renovadas Dr. MAURO.

DIZ A LENDA