FAMÍLIA ASFALTÃO DE NIVER

Ontem, 17, foi aniversário do Grêmio Recreativo Escola de Samba Asfaltão.

Não pude comparecer à Tenda, nem para dar aquele abraço nos amigos. Nem por isso passou esquecida a data.

Em meio ao trabalho de “recomposição” de meu ambiente de trabalho, ainda sentindo o clima momesco, coloquei os sambas enredos passados da Asfaltão, como num “que” de homenagem à família do samba portovelhense.

A nota a seguir foi recebida da amiga Silvia, Diretora de Comunicação da Asfaltão. Serve para “relembrar” um pouco do passado de trabalho, dedicação, seriedade e, principalmente amor ao samba dos que criaram e conservam tão bem esse verddeiro patrimonio cultural de nossa Porto Velho.

ASSIM NASCEU A FAMÍLIA ASFALTÃO

Um pouquinho da nossa história!

Era 17 de fevereiro de 1971, no auge do período de carnaval da época…

Trabalhadores da antiga usina de asfalto da cidade, que ficava localizada na hoje Avenida Tiradentes, bem na curva da esquina da Rio Madeira, local onde ergueu-se um condomínio. Estes foliões-trabalhadores com vassouras, pá, carrinhos de mão, pixe, asfalto, cal dentre outros utensílios necessários para o desempenho de suas funções, preparavam a avenida, dando os devidos retoques para o desfile dos blocos e escolas de samba existentes naquele momento.

Dentre estes trabalhadores destacamos Escurinho, Meireles, Gervázio, Jorge Makumba, Bacu, Parruda, Zezeca que após a conclusão da árdua missão, que visava deixar a passarela do samba adequada para o desfile, mesmo axaustos em função da carga e do volume de trabalho, resolveram transformar aquele momento em uma grande festa para eles. Foi então, que mesmo sujos de pixe, cal e as marcas de cansaço resolveram sair na avenida com seus instrumentos de trabalho cantando, brincando e pulando, transformando aquele momento no primeiro passo do Bloco Asfaltão.

Mal sabiam eles, que a partir dali, surgiria uma grande e respeitada escola, que manteve o nome Asfaltão em função de sua origem, da qual se orgulha. É a única escola que viveu todas as etapas, de amadurecimento necessário para se firmar e conquistar seu espaço. Foi Bloco de Sujos, Bloco de Empolgação, Bloco de Enredo, Escola de Segundo Grupo e Escola do Grupo Especial.

Esta escola que adotou o Tigre como símbolo, pois é um animal de garra que não só enxerga, mas vê além de sua visão. Em certos momentos se tornou polêmica e mal interpretada, pois levou para avenida temos ricos, como: A defesa da Natureza; O Menor Abandonado; A Mulher; Porto do Velho – Porto Velho Minha Vida; Do Mocororó ao Tigre(Se não Mexer comigo sou de Paz), este enredo tem a marca e a cara de muitos em função do resultado do julgamento do samba pra Porto Velho, pois, é uma resposta à nota 5 dada por um certo jurado. Quem esteve presente nesta apuração viu no que resultou esta nota.

Cantamos ainda: os 300 Anos de Zumbí; A Arte; Ano 2000 500 Anos de Brasil(um lindo samba que não chegou a ir para avenida, pois assim como este ano, não houve desfile). Depois deste ano ficamos 7 anos sem desfilar. Voltamos em 2007 com o tema Do Lixo ao Luxo e tivemos que nos submeter à regra e ao jogo de interesses de membros da FESEC e não nos foi garantido recurso oficial para desfilar. Mesmo assim, com visão de futuro, encaramos o desafio, erguemos as mangas e fomos para a avenida. Ressalta-se que mesmo no Grupo de Acesso nos apresentamos no mesmo nível das Escolas de Grupo Especial e conquistamos a vitória.

Em 2008 Contamos a historia do Bairro Santa Bárbara; Em 2009 A Energia; Em 2010 – Sou Caboclo Beiradeiro Filho deste Chão, Porto Velho é meu orgulho Minha Paixão; Em 2011 Mascaras; Em 2012 – Açaí o Nectar dos Deuses da Floresta, Da Amazônia para o Mundo.

Neste ano de 2013, iríamos para avenida com o Tema: NO PAÍS DO FUTEBOL, CRACK, NEM PENSAR!  Infelizmente, não houve o desfile oficial, e, mais um lindo samba deixou de ir para a avenida. É mais um samba com mensagem de reflexão que fica nos anais da Família Asfaltão. Não nos abatemos e fizemos uma grande festa nos bairros Santa Bárbara e Nossa Senhoras das Graças que nos acolhem com carinho.

Tivemos uma base sólida, por isso adotamos um perfil proativo e propositivo na busca constante da consolidação do respeito a este trabalho que inicia com o planejamento das ações. Daí em diante, preparamos um tema, que é pesquisado e transformado em uma sinopse para os compositores e compositoras. Ressalta-se que é a única escola que tem mulheres compondo samba de enredo. Somos reconhecidos como o reduto do samba e queremos continuar sendo dignos deste reconhecimento e, acima de tudo, do respeito dos amantes do samba e de nossa comunidade. Somente assim, poderemos comemorar mais 42 anos, com a mesma garra e harmonia.

“…É tanta harmonia, que me arrepia e faz nosso povo cantar mais feliz. É a simpatia que sai do peito e as vezes a gente nem sabe o que diz…” Trecho do samba de exaltação de nossa Escola.

Por tudo isso, Parabéns a toda Família Asfaltão!!

Anúncios