AGENTES DE TRÂNSITO OU DE ARRECADAÇÃO

 

Afinal, fico-me perguntando por que foram criados os agentes de trânsito em Porto Velho.

Afinal, conheço um bocado do Brasil e por onde passei vi agentes de trânsito trabalhando, dando duro, fazendo jus ao salário.

Eles passam o dia orientando o trânsito, registrando ocorrências, realizando desvios para controlar os congestionamentos e proporcionar facilidade e fluidez ao tráfego.

 

Já em nossa Porto Velho a história é diferente. Diariamente passo pelo centro da cidade ou pelas ruas que conduzem para lá. E o que se vê – DIARIAMENTE – é o duo-trio-grupinho de agentes de trânsito com suas pranchetas nas mãos, anotando infrações dos condutores que passam à sua frente. Ficam à sombra das marquises, às vezes encostados nas paredes, só olhando e selecionando qual veículo multar.

Não interessa se a multa é justa ou não. Muito menos se poderia ser transformada em advertência.

Parece que a ordem é ARRECADAR. ARRECADAR SEMPRE… E MAIS… E MAIS…

Se um semáforo der problema (falta de energia, por exemplo) eles simplesmente desaparecem.

Nunca vi um deles orientando o trânsito. Nunca vi, também, nenhum deles lavrando um auto de ocorrência – como batida, ou outro acidente. Deixam isso para a PM.

 

Também nunca vi nenhum deles se aproximar de um motoqueiro que para sobre a faixa de pedestre ou simplesmente calça uma sandália de dedo (tipo havaiana), proibida no Código Nacional de Trânsito. Não se aproximam. Multam de onde estão mesmo. E… duvido que os calçados com as ditas sandálias sejam multados… se fossem já teria sido reduzido o esquadrão de infratores.

Mas os agentes não estão nem aí para a questão. Não interessa melhorar o trânsito. Quanto mais caótico, mais dificuldades para os condutores de veículos. Advém daí, mais multas… multas… multas…

 

Então… atuam apenas como agentes de arrecadação.

Melhor seria se estivessem vinculados à SEMFAZ. Alguém discorda?