DECISÃO NO STF VAI CONTRA O ANSEIO DO POVO BRASILEIRO

Artur Quintela

Deu no que se esperava. Mas, ainda paira no ar a gargalhada uníssona do pleno do STF, quando Marco Aurélio pilheriou (melhor, tripudiou) sobre o povo brasileiro, ao proferir seu voto, deixando para o decano o enfrentamento com a opinião pública. Afinal, o que o ministro risonho (bisonho, também) queria transmitir com suas piadas? Que o decano Celso (será parente, já que também é Mello, como Arnon, Fernando, etc.?) teria que enfrentar a opinião raivosa do brasileiro que cansou das roubalheiras?
Afinal… povo é opinião e voto popular. Nenhum dos dois conta pro STF.
Pronto. Acabou. A piada do maior julgamento da história do Brasil, deu em nada – quer dizer, em pizza, no linguajar político-popular.
Celso de Mello disse que não se curva ao anseio do povo, posto que a Constituição é maior que o interesse popular.
Afinal, a Carta Magna foi redigida por quem deveria representar o povo, mas representou interesses da classe política.
E se uma lei é omissa em um detalhe, prevalece um regimento – que nã é lei, de fato ou de direito.
Entendimento do decano.
Foi-se! A crença no Supremo Tribunal Federal esvaiu-se. Ali, quem pode gastar, protela, posterga, procrastina, ou seja, MANDA!
Os bobos da corte – dentre eles, Carlinhos Cachoeira – hão de pagar pelos seus crimes posto que não são fortes políticos.
E vem-me à mente o desabafo de um advogado “criminoso” que ao ser chamado de malandro por um legislador disse que “ali” se aprendia rápido. Malandragem é arte de político. E legislador, principalmente. /caso contrário não legislariam em causa própria (palavras do próprio Barbosa, presidente do STF).
Coitado do advogado. Foi preso e teve que pagar fiança d alguns reais para responder livre.
Não, não. Não foi preso pelo “crime que cometera”, mas pelo desrespeito de chamar nossos legisladores de “malandros”.
Malandros que adentraram no STF. Malandros que alteraram a lei às suas próprias conveniências.
Malandros que não podem ser presos, sequer, pelo Supremo.
Bom dia. Boa quinta-feira.

Anúncios