FALANDO DE FUTEBOL

 

Quando o Brasil perdeu a Copa de 1998 para a França o torcedor ficou fulo e entre tantas e tantas ousadas especulações falava-se na “venda” do título pela CBF.

Aí vieram as explicações de técnicos, dirigentes, jornalistas… nenhuma delas deglutida facilmente pela torcida brasileira (e quem deglutiu, sofreu indigestão).

 

Depois, veio a vergonha de 2014. Vergonha porque foi alardeada pela própria comissão técnica que tínhamos (como em 1998) a melhor seleção daquela copa.

O placar de 7 a 1 mostrou que não era nada disso. Tínhamos uma seleção medíocre, com garotos que foram usados por gente inescrupulosa para apenas manter a camisa canarinho em campo.

Exceção: Julio Cesar. Ele não merecia ser o cristo da vez. Talvez fosse o único que não merecia aquela humilhação. Sim! Porque Neymar se recusou e fazer o joguinho do Ronaldo de 98. E a patrocinadora deu outro “jeitinho brasileiro”. A “lesão” foi tão bem montada que apareceram “exames comprovadores”. Tudo muito certinho para mostrar que “realmente Neymar estava lesionado”. Explicações demais, acho. Exageradamente explicável. Mas os milhões do “garoto” não podiam ser tratados de outra maneira. E ele ficou fora da vergonha.

 

Já o Brasil, não. Amargamos a pior derrota dentro de uma Copa do Mundo de Futebol. E estamos amargando, ainda.

Tudo foi meticulosamente estudado, a maquiagem de cada detalhe,sordidamente combinada para dar o maior realismo possível. Até jornalistas experientes caíram na esparrela.

A casa caiu, entretanto. FIFA e CBF sucumbiram, um ano depois, às suas próprias maracutaias. As organizações de Copas, os patrocínios com desvios em favor de dirigentes, as contratações ilícitas, tudo veio à tona. E ainda virá muito mais nesse jogo de sujeira e poder.

 

A vergonha nacional hoje é mundial. O descrédito toma conta da entidade que congrega mais nações que a própria ONU. Até representantes dos congressos das mais diversas nações falam a esse respeito. Quem criticava duramente antes os dirigentes esportivos da FIFA (e da CBF) agora sente-se à vontade para gritar: “Eu falei! Eu avisei!”.

 

Para nós, aqui no Brasil, acostumados com tantos escândalos (Mensalão, Petrolão, etc.) talvez venha a ser apenas “mais um”. Mas José Maria Marin terá que se explicar ao FBI que não tem as “calças presas” aos “dólares nas cuecas”. E o atual Presidente da CBF deve estar com os tufos de cabelos doídos de tanto tentar arrancá-los, no desespero de ser pego, também.

Romário que o diga… Já o chamava de ladrão e agora estufa o peito para gritar. Afinal, goza da famosa imunidade parlamentar e pode xingar quem quiser.

Quanto a nós, meros mortais, resta pedir aos deuses do Olimpo para proteger nosso futebol de várzea. Tomara que pelo menos a “pelada” dos fins de semana escape.