Category: CULTURA


Olá, gente querida.
Estou um tanto ausente deste espaço por problemas de ordem maior.

De qualquer forma não posso deixar de publicar aqui, como de hábito, o resultado da reunião realizada pela Escola Asfaltão que, com nova diretoria já urge para o ano vindouro, com suas ações sendo desenvolvidas e planejadas. Então segue aí o comunicado da amiga Silvia que continua à frente da Diretoria de Comunicações de nossa escola querida.

Senhores(as),
Segue em anexo o resultado do Planejamento da escola de Samba Asfaltão.
Pedimos se possível, a veiculação deste material.
Grata,

Silvia – 9982-9381
Diretora de Comunicação do GRESA

“A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios.
Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente,
antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos”.
(Charlie Chaplin).

ASFALTÃO MANTERÁ SUA MISSÃO

“…O samba agoniza , mais não morre…” (Nelson Sargento)
O Samba é um ritmo genuinamente Brasileiro que surgiu a partir das danças, rituais e ritmos de raízes africanas. Aqui na terra do gingado e do swing, ganhou uma característica com  estilo,  cara,  jeito e harmonia encontrada somente neste País tropical, por isso é considerado uma das principais manifestações culturais populares do Brasil.
Em Rondônia, mas especificamente em Porto Velho, sob a responsabilidade de muitos que já estiveram neste plano e outros que por aqui ainda cumprem sua missão, a história deste ritmo segue, a duras penas e graças a garra de muitos bambas, ainda se mantém firme e muito viva.
1.  A Escola de Samba Asfaltão avalia e planeja para organizar!!
A Escola de Samba Asfaltão, visando continuar e revitalizar esta história, procurando fortalecer ainda mais, junto com todas as pessoas que carregam consigo este propósito, reuniu a sua Diretoria no dia 28/03/2015, pra avaliar, planejar e organizar suas ações. Assim definidas:
1.1.    AÇÕES ESTRUTURAIS que consiste em cuidar da estrutura e do Patrimônio da Agremiação;

1.2.    AÇÕES ADMINISTRATIVAS – redefinir e organizar as ações burocráticas da Instituição;

1.3.    AGENDA SOCIAL – são as agendas de eventos que envolvem o fortalecimento do samba, o Projeto leituras ao Vento, Rua de lazer, integração com a comunidade e outros eventos tradicionais da Agenda do Asfaltão.
• O destaque especial neste item é o Projeto Samba Autoral, criado por membros da Família Asfaltão junto com outros bambas de Porto Velho, que vem incentivando os compositores e compositoras de nossa cidade.
• Destaque também, para o esporte por meio do futebol, que além de possibilitar qualidade de vida, tem proporcionado intercâmbio com clubes e equipes locais e atletas de outras cidades.

1.4.    AGENDA CARNAVAL – que nada mais é do que planejar e organizar as ações da Escola, pertinentes ao carnaval de 2016 dentre as quais estão os encaminhamentos para a Escolha do Enredo; Entrega da Sinopse, Escolha do Samba de Enredo dentre outras ações.
• Destaques do Planejamento
Duas ações comentadas a seguir foram discutidas intensamente, e por isso destacadas pelos presentes na reunião de Planejamento.
Agenda Social – Escolinha de Percussão
É um Projeto da Escola iniciado a 2 anos atrás, que apesar de ter preparado muitas crianças e adolescentes, esteve suspenso por algum tempo por falta de apoio e estrutura.
Agora, graças a uma parceria que está sendo consolidada com acadêmicos da Faculdade São Lucas, terá continuidade. Conduzido pelo Mestre Danilo e os Contra Mestres Eduardo Soneka e Junior Frajola, desta vez, além de nossas crianças e adolescentes, serão também incentivados e preparados discentes desta instituição.

Desfile das Escolas de Samba
Este assunto bateu recorde na avaliação negativa, principalmente por lembrarem que nesta gestão municipal, a tradição dos desfiles das Escolas de Samba não aconteceu e o sentimento de todos é, ao que tudo indica, da forma que vai, nem o de 2016 acontecerá. Se realmente quisessem ou quiserem, este seria o momento, para o planejamento do Desfile do ano que vem e, tanto Funcultural quanto FESEC da qual o GRESA é filiado, deveriam estar debruçados neste projeto.
Não adianta empurra, empurra de data, pois fruto de problemas oriundos tanto de gestões passadas da FESEC e da má vontade da Prefeitura Municipal de Porto Velho por meio Funcultural, bem como do Governo do Estado que demonstra total descaso com a cultura, o sentimento geral da Diretoria é que a exemplo do que aconteceu em 2014, o desfile de 2015, fracassou.
Muitos pontos foram levantados, o mais grave e que muito preocupa, é o fato de não percebermos, por parte da gestão municipal, vontade para sanar esta dívida cultural e política para com os fomentadores e admiradores deste segmento da cultura.
Se querem de fato sanar este débito cultural, vamos agora no mês de abril Fulcultural e Fesec, junto com suas filiadas, começar a Planejar, e a elaborar o projeto de organização para os desfiles de 2016.

Silvia Ferreira de Oliveira Pinheiro – 9982-9381
Diretora de Comunicação

Anúncios

Ontem, na Intervenção Cultural promovida pela Associação Cultural Rio Madeira (ACRM), Projeto Seresta Cultural e Bar Interativo Itinerante Social e Cultural (BIISC), tivemos a grata satisfação de contar, mais uma vez com uma apresentação de nosso Poeta Mado.

Mado consegue encantar a plateia e prender a atenção. Aos mais sensíveis (como eu) é capaz de levar às lágrimas com sua atuação. A performance deixa-nos orgulhosos da verdadeira “prata da casa”.

Ao POETA MADO dedico, com carinho, esse pequeno trabalho.

 

MADO

 

POEMA BEIRADEIRO

 

MADO

DEIXE QUE CANTE EM POEMA

AO POETA VERDADEIRO

NEM QUE SEJA ESTE CANTO

O MEU CANTO DERRADEIRO

 

PORTUGAL TEM LÁ ORIGENS

DO MEU CANTAR, TALVEZ FADO,

PORTO VELHO TEM HISTÓRIA

CONTADA E CANTADA POR MADO

 

FAZ ENCANTAR A PLATEIA

FAZ SOBERANA A VOZ

CHAMA A SI A ASSEMBLEIA

ENTRETENDO TODOS NÓS

 

FAZ LEMBRAR A CACHOEIRA

QUE SERVIU AO MARECHAL

LÁ SE FOI A ALTANEIRA

JÁ DEU SEU GRITO FINAL

 

RESSUSCITA A FERROVIA

FAZ DE NOVO APITAR

A VELHA MAD MARIA

E O POVO FAZ VIBRAR

 

AS ÁGUAS DO MEU MADEIRA

ESTÃO NO SEU RECITAL

O VENTO QUE AGITA A BANDEIRA

FAZ DANÇAR O IMORTAL

 

MUITO ALÉM DO IMAGINÁVEL

MAIS PRA LÁ QUE O INATINGÍVEL

ESSE POETA NOTÁVEL

FAZ LEIGO FICAR SENSÍVEL

 

SE FAZ CHORAR QUEM LHE OUVE

SE FAZ SORRI QUEM LHE VÊ

É PORQUE MAIOR JAMAIS HOUVE

SEJA NO RÁDIO OU TV

 

QUE SEJA O POETA MADO

DAS ÁGUAS OU BEIRADEIRO

SEMPRE SERÁ O AMADO

MAIS AMADO BRASILEIRO

 

Olá, gente amiga.

Que bom estar de volta após os tenebrosos meses da (e pós) alagação que quase destruiu minha casa.

Já fui cobrado por muita gente amiga por ter “abandonado” meu blog. Mas estou de volta com a cuca cheia de temas para artigos. E vamos começar pelo evento de ontem, na Ladeira Comendador Centeno, aqui em Porto Velho.

O velho prédio que abrigou a Prefeitura e a Câmara de Vereadores de nosso Município está sendo restaurado e promete abrigar o Museu da Câmara.

Fiquei feliz por vários motivos ontem. Ao participar com algumas músicas foi de somenos importância. Mas, ver o amigo e companheiro Anisio Gorayeb (o filho) emocionar-se com a oficialização do nome que será dado àquela casa, emocionou-me também. Seu pai, que orgulhou esta cidade como verdadeiro edil defensor do povo, foi homenageado  e seu nome (in memoriam) será atribuído ao nosso mais novo prédio.

E ver tanta gente bonita e amiga ali foi compensador.

Nosso querido Bazinho não cansava de fotografar. Queria guardar tudo na info-memória. Com razão. Justificadíssimo. Afinal, a associação da qual é membro fundador foi a mentora do projeto que recuperou aquele prédio – altamente erodido pelo tempo e descaso das autoridades.

A Associação Cultural Rio Madeira não só cuidou da parte do planejamento como aliou-se ao atual Presidente da Câmara Municipal – Alan Queiroz – para levar à frente a obra de recuperação que – diga-se de passagem – está muito bonita e na parte final.

Citar todos os nomes aqui, seria passar o dia inteiro escrevendo. Mas, sem injustiçar, podemos citar Silvio Santos (Zekatraca) que, com o filho Silvinho deu um show, acompanhados pela banda da Seresta Cultural, comandada pelo Heitor Almeida. Também se fizeram presentes Alciréia e o esposo Calmon. Ela foi outro show no palco.

Dentre as personalidades marcantes de nossa história política, contamos o Presidente da Academia Rondoniense de Letras (William) e o compositor do Hino de Porto Velho, Claudio Feitosa. esse, por sinal, muito esquecido pelas autoridades municipais, pois sequer consta seu nome como compositor de nosso símbolo musical.

Claro que ficam muitos nomes de fora dessa lista, gente de importância, mas que requer uma lista enorme.

A todos fica aqui meu muito obrigado.

Olá, gente querida!!
O sonho acabou? Talvez o seu. O meu, não.
Sonhei durante décadas com uma Copa do Mundo no Brasil. E estou tendo o prazer de realizar meu sonho.
A vitória – Hexa, jamais alcançado por nenhuma outra seleção – seria a coroação de uma vontade. Mas não a desilusão de um sonho perdido.
Vi – e ainda estou vendo – meu país invadido pelo mundo inteiro. Vi gente que sequer estava disputando a Copa, vindo apenas para assistir os jogos das demais seleções.
Vi as ruas enfeitadas, bandeiras tremulando sobre e abaixo as cabeças. Os carros e as pessoas fantasiados.
Vi efusão de alegria em cada esquina, em cada estabelecimento comercial.
Vi escolas cederem seu tempo para que todos pudessem assistir os jogos – desta vez realizados em nosso país.
Relembrei 1994, quando a Seleção Canarinho entrou desacreditada e os bancos sequer fechavam mais cedo. Com os jogos evoluindo veio o Tetra, tão festejado e inesquecível, numa dura disputa de pênaltis.
Relembrei, também, 2002, quando uma Seleção que quase ficava de fora, chegou e ganhou da Alemanha. Mérito desse Técnico que ontem, infelizmente, teve seu dia de infortúnio.
Temos nosso Penta. Ninguém tem, ainda, pelo menos, o Tetra que já superamos.
Por que chorar? Por que lamentar?
Tivemos – estamos tendo – nossa Copa. Provamos que temos competência para realizar um evento de porte fenomenal. Isso é o que prevalece. Pelo menos, para mim.
A megalomania de querer mais e mais, levou-nos a crer que tínhamos um selecionado capaz de superar os melhores projetos de países que valorizam realmente essas coisas.
Não nos preparamos para o futuro que hoje é o presente. Mas preparamos este presente que temos hoje.
Uma seleção jovem, com talento de sobra, esbanjando euforia e garra, mas com insegurança diante dos revezes.
Se for trabalhada, cuidada, lapidada, como fizeram com a equipe alemã, possivelmente essa mesma equipe ainda nos dará muitas alegrias. E gritos de euforia, também, com as vitórias conseguidas fora de casa.
De meu canto, estou e continuo tranquilo. Esperar o sábado para torcer pelo meu País, cantando o Hino Nacional de pé, com a mão no coração.
Aliás… seria bem melhor se não precisasse do futebol para demonstrarmos nossa brasilidade. Poderia ser melhor demonstrada na cabine de votação.

Obrigado a toda(o)s.
Bom dia. De amarelinha!

BOM DIA!!!
Hoje é um dia especial para mim. Sim! É pela Copa do Mundo no Brasil, sim!
Não vou pedir desculpas a quem pensa diferente. Creio que é exatamente a diferença que nos faz bem.
Mas eu sonho com essa copa desde a infância. Nasci no ano em que o Brasil perdeu, no recém inaugurado Maracanã, para o Uruguai, a primeira Copa em casa.
Desde a infância sonho em ver uma Copa do Mundo de Futebol aqui no Brasil.
Se você é contra ou nunca gostou de futebol, paciência. Assim como eu, muitos outros brasileiros estão felizes de ter um evento que reúne nações na paz – e não na guerra ou na política. É na paz que pretendo curtir a MINHA COPA!
Reunido com familiares e amigos tentarei esquecer das mazelas que a natureza e o progresso trouxeram à minha vida ultimamente. Tentarei e tentarei!!!
Não é a Copa do Brasil a responsável por tudo de ruim que vem acontecendo em nosso país. Alguns hipócritas criticaram Ronaldo quando fez a relação entre copa e hospitais. Hipócritas, sim. Ronaldo disse a verdade que muitos têm medo de pronunciar.
O dinheiro dos hospitais sempre existiu – e existe. Se não foi ou não é aplicado, a culpa é de quem colocou ladrões no poder. E não de quem gosta de futebol, simplesmente.
Quero a Copa do Mundo no Brasil. Quero poder ver meu país em festa. Quero ver o povo nas ruas, indo para os estádios, praças…
E quero que tudo funcione normalmente.
Não quero greves políticas. Mesmo porque as greves em momento inoportuno não são promovidas por trabalhadores realmente.
Quem é Sininho??? Quem pensa que é? Dona da verdade ou do caos?

Eu sou um cidadão brasileiro. Quero poder rir, mesmo na tragédia. Porque considero isso um direito!
E quem não concorda, não tem o direito de querer fazer minha cabeça contra o evento promovido por uma entidade que nunca promoveu uma batalha sequer, muito menos guerras. Uma entidade que reúne mais nações que a própria ONU. Que faz rir e chorar. Mas, não derrama bombas, não atira gás lacrimogênio nem coquetel molotov. Os derrotados choram, mas não são feridos por artefatos mortais. Não sofrem a vergonha de ver suas pátrias invadidas e suas vidas destruídas.

Estou a favor da COPA DO BRASIL!!!
Com ou sem você.

Tenham todos um bom dia.
PRA FRENTE BRASIL!!! Vai Neymar!!! Vai Fred!!! Te segura Croácia!!!

Como de hábito, estamos divulgando aqui a programação da Escola de Samba Asfaltão.

Senhores(as),

Peço se possível, a veiculação deste material.

grata,

Silvia Ferreira de Oliveira Pinheiro – 9982-9381

Dir. de Comunicação do GRESA

 

ENSAIO SHOW TERÁ PARTICIPAÇÃO DE BETO CEZAR

ASFALTÃO 07.02.2014

Conforme já foi anunciado, os ensaios da Escola de Samba Asfaltão começaram e acontecer de terça a sexta feira na Tenda do Tigre que fica localizada na Rua jacy Paraná, entre Brasília e Getúlio Vargas. “A comunidade tem participado e atendido ao nosso convite”, mencionou o Presidente da Agremiação.

Ensaio Show

Sempre as sextas feiras, o ensaio será diferenciado, por isso é denominado Ensaio Show. Neste dia acontecerá sempre o primeiro momento de ensaio com os brincantes, a Bateria Pura Raça e a Rainha da Bateria.

Como a Escola se refugia e é abrigada no reduto do samba, não poderia ser diferente, o segundo momento será regado a uma boa e harmoniosa Roda Samba, que nesta sexta 07/02, terá a participação especial do cantor e compositor Beto Cezar.

 

Silvia Ferreira de Oliveira Pinheiro – 9982-9381

Diretora de Comunicação do G.R.E.S. Asfaltão

Bom dia, povo querido e tão amigo.

 

bola-de-futebol-1

 

Hoje, com a serenidade retornando ao seu devido lugar, venho postar minha opinião sobre o Campeonato Brasileiro que terminou de forma paradoxal. Se no sábado houve só alegria, no domingo a tristeza tomou conta dos verdadeiros amantes do esporte dos gramados. E não foi por pouca coisa. A briga das torcidas atleticana e vascaína foi vergonhosa. Mostrou bem que o Estatuto do Torcedor não mudou a cara dos verdadeiros vilões da festa maior de nosso país. Quem vai ao estádio pra se divertir não pode ser confundido com os brigões de plantão.

Em certo momento, assistindo àquela verdadeira guerra pela TV, cheguei a admitir que deveria haver polícia armada de rifles para conter tamanha selvageria. Depois, com a cabeça mais fria e menos revoltado, vi que tinha pensado exatamente o que não queria ver ninguém fazer. ou seja, envolvera-me com o sentimento da revanche.

Não, não é esse espetáculo que queremos para nosso futebol. E não estou preocupado com a mancha do Brasil da Copa de 2014. Estou preocupado, sim, com os verdadeiros torcedores, as famílias que retornaram aos estádios após aqueles insidiosos anos 80/90 em que as brigas entre torcedores e jogadores eram comuns. Naquele tempo cheguei a parar de assistir jogos pois era uma verdadeira insanidade o que se praticava nos estádios.

Quando a calmaria voltou, trouxe também as famílias. Coisa linda de se ver. Casais com filhos torcendo por seus times. E que saiam tristes ou alegres apenas pelo desempenho dos jogadores.

Faltou senso de humanidade aos brigões. Que são poucos! Não custa banir de vez tais elementos das arquibancadas. Que sejam encarcerados, ou não. Mas que sejam banidos da festa da bola. De vez!

A tristeza, porém, não se limitou à briga de torcidas. Ver clubes que criaram o atual Campeonato Brasileiro fora da Série A é outra forma de tristeza.

 

Como Flamenguista, poderia estar feliz em ver dois arquirrivais rebaixados. Mas não estou! Sofro com os torcedores de Fluminense e Vasco ao perceber a vergonha que o regulamento do Campeonato Brasileiro impõe aos seus criadores.

 

Sempre afirmei e repito. Não é Campeonato Brasileiro! Não pode ser Campeonato Brasileiro se exclui clubes de vários estados e só uma minoria participa. Temos 27 Unidades da Federação. E o Campeonato para ser BRASILEIRO, teria que ter – a meu ver – os Campeões de cada uma dessas UF. Assim poder-se-ia dizer que seria justo. Mas criar um campeonato com 4 séries, rebaixando-se 4 clubes e ascendendo-se outros 4, parece-me pilhéria.

 

Vou dizer minha fórmula ideal, para ser justo, a meu ver, com os verdadeiros mentores e que justificam a existência de um campeonato a nível nacional.

Mas, antes, deixem-me lembrar uma coisa: Imagine – você, que está lendo – uma situação em que criasse uma modalidade de campeonato de dominó (por exemplo) em sua casa, com regras definidas por você e convidando os que lhe conviessem – verdadeiros amigos – para participar. Muito bem. O campeonato teria SUAS regras, posto que VOCÊ criara. Então, depois de certo tempo, alguns outros chegam – se auto-convidando – e criam novas regras, excluindo você do campeonato. É certo? Alguém aceitaria? Creio que não. Da mesma forma, o Campeonato Brasileiro.

 

Em 1987 – quem viveu, lembra – A CBF, cujo Presidente era Octávio Pinto Guimarães, afirmou que não tinha recursos para realizar o Campeonato Brasileiro daquele ano. Questionado pelos maiores clubes se poderiam realizar às suas expensas, ele concordou e disse que validaria. O que se seguiu foi uma reunião com os treze melhores colocados dentro do ranking da própria CBF.  Os quatro grandes de São Paulo: Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos; os quatro grandes do Rio de Janeiro: Flamengo, Vasco da Gama, Fluminense, Botafogo; os dois grandes de Minas Gerais: Atlético Mineiro e Cruzeiro; os dois maiores do Rio Grande do Sul: Internacional e Grêmio; e o Bahia (diferente do que muitos acreditam, não foi o Atlético Paranaense o décimo terceiro clube).

O regulamento foi criado, convidados outros clubes para chegar aos dezesseis e criada a Copa União. Por exigência da CBF, foi criado mais um grupo com clubes menores, com pouco poder aquisitivo e que seriam bancados com as receitas auferidas pelo Clube dos Treze. Vejam bem: O clube dos Treze bancava tudo. Aceitas as exigências da CBF a Copa União iniciou com dois módulos – VERDE e AMARELO – que disputavam campeonatos distintos. Tanto é que os nomes dos Troféus eram “João Havelange” para o Módulo Verde e “Roberto Gomes Pedrosa” para o Módulo Amarelo.

O importante é que o Clube dos Treze passou a patrocinar o Campeonato Brasileiro desde aquela época. Então seria lógico que seus treze mentores tivessem, ao menos, a primazia de participar em todas as edições. Nunca seriam rebaixados. Com o aumento de 16 para 20 clubes na primeira divisão, 7 seriam convidados inicialmente e os quatro piores seriam rebaixados para a segunda divisão de onde ascenderiam os quatro melhores colocados.

 

A ideia não é assim tão escabrosa, quanto possa parecer a alguns, de princípio. O Campeonato só pode ser levado avante com recursos financeiros de grande aporte. E é vendido às redes de televisão por preços vantajosos para ambas as partes. Então, retirando-se os maiores clubes da Primeira Divisão, o Campeonato estará fadado ao fracasso.

 

Imaginem os que contradizem – de início – uma final de Campeonato com os Clubes Juventude e ASA. Claro que os locais estariam todos ligados e seria uma festa na cidade do campeão ou vice. Mas e o retorno financeiro para o Campeonato seguinte? Haveria?
Numa segunda hipótese – que, pelo andar da carruagem, é possível, sim – a Primeira Divisão sem contar com nenhum dos doze clubes que originaram o Clube dos Treze teria audiência a nível nacional? Claro que não, é óbvio.

 

Então por que ficar alegre com o rebaixamento de Vasco e Fluminense? Da mesma forma como fui contra o rebaixamento de Palmeiras, Botafogo, Grêmio e qualquer outro grande clube, sou contra o rebaixamento dos dois clubes cariocas.
Sabe quem vai lucrar com isso? A Rede de Televisão que comprou a Série B. Vai ter muita gente ligada na telinha – NÃO GLOBAL -, no ano que vem, da mesma forma como já aconteceu, antes.

 

E, aos que acharam bonito e ficaram felizes com o rebaixamento, lembro que futebol não é guerra de nações. É um esporte e a predileção de cada um pode se dar dentro da própria família. Tenho um irmão vascaíno e um cunhado-amigo-irmão Fluminense. Estamos juntos nessa, também. Porque, se eles sofrem, sofro também.
Minha alegria de ser campeão da Copa do Brasil está embotada pela tristeza deles, que faço minha.

 

Finalmente, Parabéns ao Cruzeiro e cruzeirenses pela excelente campanha e última partida, em paz, rica em glórias e sorrisos.

 

Parabéns ao Palmeiras e palmeirenses, pelo retorno à Série A, da melhor maneira possível. Como campeão antecipado.

 

Parabéns ao Flamengo e flamenguistas pela “volta por cima” de um time desacreditado, liderado com amor pelo Auxiliar Técnico – hoje, reconhecidamente, o melhor Técnico do Brasil.

 

 

A Família Asfaltão despede-se de 2013 com dois eventos dignos. Primeiro, teremos na próxima sexta-feira – 06 – um encontro de sambistas para comemorar o verdadeiro samba, raiz das tradições brasileiras. Como hoje é o Dia do Samba e numa segunda-feira, tradicionalmente, o trabalho é pesado (claro, depois do fim de semana puxado…) a Escola Asfaltão irá comemorar no dia 6, congregando as massas que não dispensam o melhor dos fins de dia da semana.

Por outro lado, no dia 10, Clarice Lispector será homenageada pela melhor Escola de Porto Velho na Casa da Cultura Ivan Marrocos, em evento grandioso que iniciará às 19,00 horas.

Leia aí a nota completa distribuída pela Diretora de Comunicação Silvia Pinheiro.

Senhores(as),

Peço se possível, a veiculação deste material.

Grata,

Silvia – 9982-9381

Diretora de Comunicação do G.R.E.S Asfaltão

A arte da vida consiste em fazer da vida uma obra de arte.”

(Mahatma Gandhi)

 

 

2 DE DEZEMBRO DIA DO SAMBA

 

ASFALTÃO IRÁ COMEMORAR COM A COMUNIDADE

 

“Não, ninguém faz só porque prefere. Força nenhuma no mundo interfere, sobre o poder da criação…” (João Nogueira)

 

2 de Dezembro é a data que o Brasil comemora o dia do Samba.  Ele chegou tão contagiante e envolvente que originou vários outros estilos musicais neste País de tantos segmentos de riquezas e diversidades musicais e culturais.

 

Para marcar e comemorar este dia, no dia 06/12/2013, próxima sexta-feira, a Família Asfaltão exaltará o Samba e o dia de Santa Barbara comemorado no dia 4 de dezembro. Este encontro de sambistas se dará a partir das 18:00 horas no Bar do Calixto, que fica na rua Jacy Paraná com Brasília.

 

Como bem disseram Arlindo Cruz e Sombrinha: “…Ser sambista é ver com os olhos do coração, ser sambista é crer que existe uma solução. É certeza de ter escolhido o que convém. É se engrandecer e sem menosprezar ninguém…”, por isso e por manterem acesa a história deste ritmo que nasceu nas senzalas, se abrigou em guetos e favelas, se expandindo para área urbana das cidades brasileiras,  este momento será uma grande confraternização, bem como uma homenagem da escola aos sambistas de nossa amada Porto Velho. SALVE O SAMBA! SALVE OS SAMBISTAS DE PORTO VELHO!!

 

“… Aconselho a você, que seja sambista também!…”

 

LANÇAMENTO OFICIAL DO SAMBA DE ENREDO

 

Este encontro de sambistas, será marcado também pelo lançamento oficial do Samba de Enredo de 2014, escolhido no ultimo dia 9 de novembro. O samba que sagrou-se campeão é de autoria da dupla de compositores Toninho Tavernard e Marquinhos do Cavaco, e desenvolve o Enredo PORTO VELHO, TEU “VALOR” CULTURAL, É A RIQUEZA E O BRILHO DO MEU CARNAVAL! de autoria de Silvia Pinheiro.

 

A AGENDA DA ESCOLA DE 2013, ENCERRA DIA 10/12/2013

 

“Samba pra Clarice…”

 

“…Que ninguém se engane, só se consegue a simplicidade através de muito trabalho…” (Clarice Lispector)

 

Se estivesse viva, no dia 10 de dezembro a escritora Clarice Lispector completaria 100 anos e seguindo um calendário organizado pelo segmento da literatura nacional, a agremiação fará uma noite intitulada “Samba pra Clarice”, que será realizado no dia 10/12/2013, a partir das 19:00, na Casa de Cultura Ivan Marrocos.

 

 

O Presidente Makumbinha, reforça o convite, ressaltando que a Família Asfaltão sempre recebe os amigos de braços e corações abertos.

Encerrou parabenizando todos os sambistas de Porto Velho, especialmente os que fazem parte desta escola.

 

Silvia – 9982-9381

Diretora de Comunicação do G.R.E.S Asfaltão
A arte da vida consiste em fazer da vida uma obra de arte.”
(Mahatma Gandhi)

 

 

Você sabe o que é BIISC? Não?
Bom, o projeto “é a cara do criador”.
Heitor Almeida não se contenta nunca. Depois de criar vários projetos culturais em Porto Velho e Ariquemes, vem à tona o mais novo evento cultural, que é sonho sonhado, realmente.

Heitor, que comanda com maestria a Seresta Cultural das quintas-feiras no Mercado Cultural de Porto Velho convidou-me certa vez para ouvir seu relato a respeito de um sonho que tivera. Sonhara com o General da Banda Manelão. E nesse sonho aparecera uma sigla – BIISC.

Ao acordar tentou e tentou decifrar. Até que “conseguiu”.

Ao contar, Heitor deixava à mostra a emoção. Emoção que não conseguia ser contida. Falou que já tinha, inclusive, alguém que se interessara tanto por seu projeto que disponibilizara recursos para o primeiro evento. Faltava o local. Parece que não falta mais nada.
Em entrevista concedida ao amigo Silvio Santos, o popular colunista cultural Zekatraca, Heitor falou de sua empolgação.

Fato, entretanto, é, que a data da estreia foi “renovada”. Ele falara na quarta passada, mas o jogo entre Flamengo e Atlético Paranaense, pela final da Copa do Brasil, atrapalharia os planos.

Então ficou para o dia 4 de dezembro, quarta-feira próxima.

Lei na íntegra a entrevista que Heitor concedeu  e que se encontra na coluna Zekatraca para quem quiser conferir.

Heitor Almeida – Lançamento do Projeto BIISC

 

O produtor cultural Heitor Almeida idealizador e responsável pelo Projeto Seresta Cultural que é apresentado todas as quintas feiras, no Mercado Cultural de Porto Velho, agora vem apresentar um novo projeto cultural, trata-se do BIISC. Essa sigla quer dizer: “Bar Itinerante, Interativo, Social e Cultural”. O lançamento desse novo empreendimento cultural vai acontecer no próximo dia 4 de dezembro, na casa de shows Mandacaru numa parceria com a APAE. Para falar sobre esse projeto e também sobre a Seresta Cultural, batemos o seguinte papo com o Heitor Almeida.

 

 

ENTREVISTA

 

Zk – Como foi que surgiu a idéia da Seresta Cultural?

Heitor Almeida – Na verdade há muitos anos mexo com cultura. Fui o primeiro a colocar sistema de som na quadra dos colégios, isso no inicio dos anos de 1970. Implantei a discoteca do Ferroviário e Ipiranga, depois fui para Ariquemes, fui fundador da primeira Casa de Cultura junto com o Binho e o Basinho, sou fundador do União Pop, dirigi o Canto Mocambo, entre outras coisas ligadas à cultura.

 

Zk – E a Seresta Cultural?

Heitor Almeida – Devo lembrar que sou um dos criadores da Fina Flor do Samba e derrepente vi que o espaço na Fina Flor estava muito fechado, era aquela mesma coisa, então criei a Seresta Cultural para apresentar as pessoas que gostavam e gostam de cantar sucessos do passado e não tinham espaço na “Calçada da Fama”. No dia 17 de maio de 2014 a Seresta completa quatro anos de existência.

 

Zk – Você conta com apoio do governo municipal para produzir a Seresta?

Heitor Almeida – Não! O apoio que a gente tem só é a liberação do local. Acho que os governantes Municipal e estadual estão deixando muito a desejar nessa questão. O que notamos é que o governo só apoia os projetos que beneficiam o artista que vem de fora.

 

Zk – E como é que você faz para gratificar os músicos que tocam na Seresta?

Heitor Almeida – Vale salientar que o maior cachê no Mercado Cultural quem paga sou eu. Acontece que conto com ajuda de amigos empresários como: Carlos da News Móveis, da Clinica Charles, Dr. Calmon, do meu amigo Cordeiro que chegou agora e está editando o jornalzinho além de colocar o telão. São pessoas que acreditam no nosso trabalho.

 

Zk – E a Banda que acompanha os cantores?

Heitor Almeida – É das melhores, inclusive gostaria de registrar que contamos com um dos melhores guitarristas da Amazônia que é Ronald Vasconcelos que inclusive participou do Projeto Pixinguinha, ele saia daqui para tocar por esse Brasil a fora, na bateria temos o Telêmaco que dispensa comentários, Tonhão que o nosso maestro e o Beneamine que toca o contra baixo e eu que de vez em quando assumo a percussão.

 

Zk – Você está com uma novidade a ser apresentada, qual é?

Heitor Almeida – O nome do Projeto é BIISC.

 

ZK – Isso quer dizer o que?

Heitor Almeida – Foi o seguinte, cheguei em casa meio troviscado , deitei e sonhei e no sonho o primeiro cara que apareceu foi o Manelão dizendo, ainda bem que tu chegou, aqui tá muito calmo, aí falei pra ele, tu não faz o carnaval? – Faço carnaval de ano em ano Nisso passa um carro com essas letras, BIISC. Quando acordei depois de bater muita cabeça consegui decifrar e ficou, Bar Itinerante, Interativo, social e Cultural – BIISC. Então vamos lançar essa ideia no próximo dia 4 de dezembro. Isso tudo em parceria com a APAE.

 

Zk – Como vai funcionar o BIISC?

Heitor Almeida – A entidade nos contrata para fazer o show. Ao firmamos o contrato a entidade contratante se compromete a vender pelo menos 50 mesas o arrecado com a venda das mesas será doado à APAE.

 

Zk – Tem horário?

Heitor Almeida – O Bar BIISC começa a funcionar às seis horas da tarde e fecha às dez horas da noite. Nossa apresentação fica condicionada à venda das 50 mesas e no dia do show cada convidado terá que levar um quilo de alimento, que será recebido na portaria do ambiente onde o BIISC for montado, pelos dirigentes da APAE.

 

Zk – O lançamento vai ser no dia 4 de dezembro. Certo?

Heitor Almeida – É. Vai ser na casa de shows Mandacaru e como vai ser o primeiro e queremos que a ideia alcance sucesso, inclusive o Daniel proprietário do Mandacaru ao tomar conhecimento do Projeto ficou encantado e colocou toda a estrutura da sua casa a disposição da nossa produção. Nesse primeiro BIISC ninguém vai ter que comprar mesa, será cobrado apenas o Quilo de alimento que será repassado à APAE.

 

Zk – Quais os artistas que vão se apresentar?

Heitor Almeida –Vamos começar as 18h00 com o Sandro Bacelar e a Gioconda Trivério fazendo o “Pirarublue”. Das 20h00 em diante entra o show Eternamente Cartola.

 

Zk – Quem faz parte do Eternamente Cartola?

Heitor Almeida – Inclusive quero informar que o show vai apresentar novos músicos, já que o Enio Melo não está podendo se apresentar, resolvi modificar tirei surdo, cavaquinho e ensaiei com o Mauro, Esquerdinha, Júnior Lopes, Argemiro e o Ronald Vasconcelos.

 

Zk – Como a pessoa pode contratar o BIISC?

Heitor Almeida – É só ligar para 9213- 9895.

Bom, se vc já leu a entrevista, então prepare o quilo de alimento não perecível para ser entregue à APAE e vamos para o Mandacaru. Quarta é imperdível.
Parabéns Heitor.

 

 

Colhido da página do amigo Zekatraca de hoje.

Zumbi, espectros e fantasmas

                                                                                          

Por Analton Alves

 

 

Último dos líderes do Quilombo dos Palmares, Zumbi, o fantasma, espectro defensor das almas africanas, dispensou acordo de paz com a Coroa Portuguesa e estabeleceu a marca de uma resistência dentro da então Capitania de Pernambuco, atual região de União dos Palmares, Alagoas. O fato histórico, mesmo com a extinção do quilombo, algumas décadas depois, foi vivificado e a escravidão negra caminhava para a abolição. O Brasil, diante da germinação de uma repulsa à sistematização da escravatura, também via nascer uma nova ordem em que brancos e negros precisariam conviver e se alimentar do mesmo pão que aquela terra brotaria. Também uma nova luta, com a junção da mistura dos pardos, filhos dessa conexão de povos, parecia nascer no seio de um instante de ebulição que chegaria aos tempos atuais com a cara fechada para o muro alto que cerca a casa dos inquilinos do Legislativo Federal. Resistência contemporânea que diz não, todos os dias, para a mão fraudulenta de políticos que se arranja, de qualquer jeito, dentro dos restos mortais que a Coroa Portuguesa deixou como herança. Mas, bem e mal se equilibram eternamente e haverá sempre um Zumbi, que seja pós-moderno, marcando renitência contra essa coisa eterna que nos ameaça sempre, a moléstia administrativa pública.

 

O Zumbi do Judiciário, ministro Joaquim Barbosa, se negou ao acordo com o Legislativo, como também o fez Zumbi dos Palmares, na ocasião se negando a aceitar acordo de paz com o governador da Capitania de Pernambuco. Como resultado, uma dezena de escravocratas moderninhos foi parar no xilindró. O aceno dos presos petistas para os amigos do curral eleitoral pegou mal e, teve gente balbuciando: – o capataz mais cruel é aquele que já foi escravo. Dito isto, uma alusão àqueles que já foram “povo” e fizeram fortunas às custas de uma nação vítima de um novo modelo de escravidão. A  escravidão voluntária. Um tipo de escravo que não é possível libertar com missões pesadas e arrojadas, montando focos de resistência. E mesmo um Zumbi pós-moderno como o nosso Joaquim Barbosa, Zumbi do Judiciário, e não dos Palmares, terá dificuldades para fazê-lo. Irá precisar ancorar o barco pesado da navegação libertária a outras paragens menos carregadas. Cairia bem uma volta ao passado para uma visita à “Serra da Barriga”, onde nascera o Zumbi original. Quem sabe ali, diante de tantos guerreiros fantasma, espectro defensores de almas escravas injustiçadas, talvez uma solução para essa luta perversa, fria e lenta contra a corrupção que nasceu no Brasil com a chegada da Coroa Portuguesa.